Epifania


A vontade de escrever esse texto começou quando ontem, voltando da escola no ônibus, percebi o cheiro da senhora que sentava ao meu lado. Ela usava algum creme ou perfume de erva doce e, subitamente, me fez lembrar da minha 7° série( 2005), quando eu tinha uns produtos dessa linha. Me veio à memória então algumas horas atrás, a aula de Literatura que estávamos tendo com o professor Rodrigo. Ao falar de Clarice Lispector, citou epifanias, que ele descreveu como pensamentos súbitos.

Epifania, em outras palavras, é um mergulho em nosso fluxo de consciência, tendo uma visão mais aprofundada das coisas que nos rodeiam. Talvez esse processo epifânico nem tenha acontecido comigo, mas foi a partir do conceito dele que fui analizar o cotidiano das pessoas naquele momento( inclusive, faço de costume). Pensei como nossa vida é uma rotina clássica, fazemos o que temos que fazer, dia após dia. Pelo menos é essa a idéia.

Alguns comportamentos me chamaram atenção ontem, como ver uma criança chorando com todas as forças ao lado mãe que não dava atenção. Uma senhora sentada na porta de sua casa, talvez sem mais nada para fazer no momento, só esperando a noite chegar. Logo depois vi uma mendiga, também fazendo nada, mas sem uma calçada sua para passar o tempo. Uma mulher carregando um bebê, que com certeza não tinha idéia de nada que acontecia e uns dez metros dali, os garotos do sinal, cheirando, ganhando trocados e ao contrário do pequeno neném, já tinham sentido o gosto ruim da vida que levavam. Operários construindo um prédio me lembraram o curso de arquitetura e atrelado a isso o resultado do vestibular.

Foi em engarrafamentos que fiquei analizando a vida que levamos, o sentido que cada um dá a ela. Altdoors, vender, gastar, trabalhar, flashs rápidos do nosso cotidiano. Quantas coisinhas simples fazemos, vemos ou usamos todos os dias? Quase despercebidas, sempre esquecidas.

Levamos os dias adiante e às vezes, sem notar lembramos algo, sentimos além daquilo que vemos. A vida continua e a qualquer momento quem sabe uma epifania faz você perceber mais o mundo que o rodeia.


É... tem dessas coisas.

Abaixo, uma música de Adriana Calcanhoto, lembrei dela e faz muito sentido.
ESQUADROS

Eu ando pelo mundo
Prestando atenção em cores
Que eu não sei o nome
Cores de Almodóvar
Cores de Frida Kahlo
Cores!

Passeio pelo escuro
Eu presto muita atenção
No que meu irmão ouve
E como uma segunda pele
Um calo, uma casca
Uma cápsula protetora
Ai, Eu quero chegar antes
Prá sinalizar
O estar de cada coisa
Filtrar seus graus...

Eu ando pelo mundo
Divertindo gente
Chorando ao telefone
E vendo doer a fome
Nos meninos que têm fome...

Eu ando pelo mundo

E os automóveis correm
Para quê?
As crianças correm
Para onde?
Transito entre dois lados
De um lado
Eu gosto de opostos
Exponho o meu modo
Me mostro
Eu canto para quem?

Eu ando pelo mundo

E meus amigos, cadê?
Minha alegria, meu cansaço
Meu amor cadê você?
Eu acordei
Não tem ninguém ao lado...

Pela janela do quarto

Pela janela do carro

Pela tela, pela janela
Quem é ela? Quem é ela?
Eu vejo tudo enquadrado
Remoto controle...


Beijocas!

13 comentários:

Peixoto on 7 de janeiro de 2010 22:50 disse...

Chamo essas Epifanias, eu, de Dejá vu, por lembrar repentinamente de fatos passados. Isso acontece frequentemente, gosto de lembrar de fatos passados, e me vejo repetindo-os como em um teletransporte. Bom texto, boa música!

BasíliòÒ disse...

Perfeita junção empírica com conceitos nada mais que dicionarizados! Dominici escreve com a leveza digna de uma sagaz escritora.A comparo com Virgínia Wolf: uma amálgama de sentidos transformam o texto numa produção artísticas embriagável!

Lenah on 7 de janeiro de 2010 23:22 disse...

nossa Dominici, escreve muito bem, sinto como se as coisas que escrevo no meu blog sejam só baboseiras, rsrs, gostei muito, concerteza vou procurar ler clarice lispector, muito interessante, gostei muito,

Camila Dominici disse...

Pérolas de Susana Dominici, escreva um livro, um nao vários, quando ficar rica lembre-se de mim tua prima querida, q acreditou em seu talento e me sustente...
vc vai longe menina!

Lucas Podolsky disse...

Essa musica e uma das musicas que eu mais gosto.mostra upra me como se o mundo fosse marionetizado. vc escreve muito bem menina. passa bno meu blogspot depois

São apenas palavras! on 8 de janeiro de 2010 15:02 disse...

Hum, bem interessante é como se fosse voltar ao tempo, naquela mesma hora, deve ser uma experiência muito legal, gostei ^^

Pollyana on 9 de janeiro de 2010 12:42 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pollyana on 9 de janeiro de 2010 12:46 disse...

primaaaa
amei seu texto, vc escreve muito bem, continue postando esses textos maravilhosos, já sou fã do seu blog.
bjs........

Anônimo disse...

Srta.Dominici:
Muito me honra saber que nossa conversa sobre Clarice a tenha ajudado a aprofundar a compreensão de uma experiência tão particular quanto foi a sua. A epifania é súbita e, sobretudo, reveladora; só a boa literatura pode recuperá-la e partilhá-la com os outros. O seu texto é boa literatura. Um grande abraço do professor Rodrigo.

Adliz Jamile on 17 de janeiro de 2010 19:04 disse...

Olá Suzana!!!
Já vi que conseguiu colocar um contador, kkkkkk!!!
É isso aí, aos pouquinhos vc vai deixar o seu bloguito com a sua cara!!!
Adoro também esta música da Adriana, rs!!!
Um beijinho, Adliz!

Anônimo disse...

Ameei esse texto, está de parabéns! ^^

clara dayana disse...

como vc escreve bem viu minha amiga nerd!seu blog é maravilhoso!bjinhos

Marina de Souza. on 7 de setembro de 2010 19:52 disse...

uau, adorei o post ! enquanto eu lia, pude ver e sentir cada coisa que você via e sentia. realmente, ótimo texto. parabéns. :)

Postar um comentário

 

Quase Anônima ♣ ♣ ♣ Mamanunes Templates ♣ ♣ ♣ Inspiração: Templates Ipietoon
Ilustração: Gatinhos - tubes by Jazzel (Site desativado)